fbpx

Isolamento Social e a Violência Contra a Mulher

A principal medida adotada para combater a disseminação do coronavírus é o isolamento social. Mas, com ele, um problema muito mais comum do que imaginamos tem ganhado outras proporções: a violência contra a mulher. Isso porque o isolamento dificulta as chances de fuga e inibe as denúncias destas mulheres em situação de violência.

Ainda em março, a ONU Mulher divulgou um documento alertando sobre os impactos da COVID-19 para as mulheres, no qual fala que “Em um contexto de emergência, aumentam os riscos de violência contra as mulheres e meninas, especialmente a violência doméstica, aumentam devido ao crescimento das tensões em casa e também o isolamento das mulheres. As sobreviventes da violência podem enfrentar obstáculos adicionais para fugir de situações violentas ou acessar ordens de proteção que salvam vidas e/ou serviços essenciais devido a fatores como restrições ao movimento de quarentena”.

Segundo dados informativos do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, 90% dos casos de violência contra mulheres acontece onde as vítimas vivem. Para muitas mulheres e meninas, a maior ameaça está precisamente naquele que deveria ser o mais seguro dos lugares: as suas próprias casas. Em São Paulo, há dados de que o número de mulheres assassinadas em casa dobrou desde o início do isolamento em relação ao mesmo período do ano passado. Tribunais do Brasil inteiro registram aumento nos casos de agressão contra mulheres e feminicídio em meio a confinamento devido a pandemia. Esse cenário também é visto em outros países, como França e Estados Unidos.

Mais do que nunca, devemos divulgar os números dos canais de denúncia, além de fazer a nossa parte denunciando, no caso de saber de alguma situação de violência.

Juntas, nos protegemos!

Serviços emergenciais em funcionamento

Apesar das medidas de isolamento, o Judiciário e os serviços emergenciais de atendimento a mulheres vítimas de violência estão funcionando em todo o país, segundo o CNJ.

Para acionar as autoridades responsáveis, utilize os números:

  • 180 – Para denunciar violência contra mulheres

A Central de Atendimento à Mulher 180 está disponível 24 horas. Além de fazer denúncias, é possível pedir orientação jurídica e solicitar encaminhamento para as redes de enfrentamento à violência e de apoio à mulher.

  • 190 – Polícia, se ouvir gritos ou brigas
  • 192 – Para emergências médicas
  • 100 – Para denunciar casos que envolvam crianças ou idosos

 

Conte com a TPM para te proteger nos seus trajetos!

 

Gostou? Compartilhe com mais pessoas!

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Enviar Mensagem
Precisa de Ajuda?
Olá,
Como Podemos Ajudar?